sexta-feira, 3 de abril de 2020

De Fenômeno Social a Objeto Sociológico: Uma breve discussão acerca do conceito de violência


Foto: Rovena Rosa / Agência Brasil*


Lucas Vieira Santos Silva
Juliano Machado Ramos


O termo violência tem se desenvolvido semanticamente de uma maneira diferente de como foi pensada na antiguidade, caracterizando-se, cada vez mais, como uma palavra moderna. Em seu sentido antigo, a violência esteve relacionada a duas outras palavras: vis – que significava força ou guerra – e potesta – que significava poder e domínio, sendo que nesse momento os dois significados se correlacionavam.  Já na modernidade, o conceito de violência vai ser construído a partir de sua recusa ética, em oposição a promessa moderna de uma possível “paz eterna”. Nesse sentido, é na modernidade que ocorre uma separação semântica entre os termos violentia e potesta, onde o Estado toma para si o exercício legítimo da violência, atribuindo o seu sentido negativo à sociedade civil. (MISSE, 2016; PORTO, 2000; WIEVIORKA, 1997).
Para Michel Misse (Idem), dialogando com Norbert Elias, toda essa situação de atribuição de negatividade a palavra violência, decorre do processo civilizatório que ocorreu ao longo da modernidade. Nesse sentido, com o intuito de afastá-la das relações sociais, o Estado moderno, utilizando-se de uma violência socialmente vista como legítima, a atribuiu a um número cada vez maior de ações e comportamentos que afetavam os valores morais vigente na sociedade moderna. Essa situação de atribuição é em certo sentido paradoxal, já que ao mesmo tempo que a modernidade tentava afastar de todo jeito a violência das relações sociais, foi exatamente nesse período, onde um maior número de comportamentos foi socialmente construído como violentos (MISSE, 2016)
Desta forma, com o intuito de construir um conceito sociológico de violência que iria além da constatação empírica do fenômeno, Michel Wieviorka (1997), vai refletir acerca das transformações sociais, econômicas, políticas e culturais que ocorreram no mundo pós década de 70 e as mudanças que acarretou no fenômeno da violência. Para o autor, duas situações são imprescindíveis para a percepção dessa nova dinâmica do fenômeno da violência, assim como para sua construção enquanto conceito da sociologia. A primeira está relacionada ao processo de perda do monopólio legítimo de uso da violência por parte do Estado, o que faz com que o uso da violência enquanto recurso político, que para o autor já teria se extinguido na modernidade, seja retomado; E o segundo, as mudanças que ocorreram na sociedade industrial, a partir da desestruturação do conflito entre capital e trabalho, o que distanciou o conceito de violência das noções de conflito e crise. Para Wieviorka (1997), ambas as situações permitiram a produção de um novo paradigma da violência, a partir do surgimento de indivíduos extremados, que na palavra do autor, poderiam ser vistos como antissujeitos. A partir disso, Wieviorka vai restringir a polissemia do termo violência conceituando-o como uma agressão física intencional, interpessoal ou coletiva.
Por outro lado, Butler (2015) ao pensar nas disputas que definem as formas legítimas e não legítimas de violência, discute a influência das clivagens sociais e relações hierárquicas de dominação na distribuição desigual da exposição à violência. Nesse sentido, a autora afirma que os indivíduos são formados a partir de uma violência externa que está constituída nas interações e valores sociais que os ensinam a como agir em sociedade. E que de certa maneira, não se apresenta apenas em sua exterioridade, mas também em sua forma interna, relacionando-se a reprodução da violência aprendida no outro ou em si mesmo. Em suma, a autora irá discutir a questão da violência a partir da violência estrutural produzida pelo Estado no processo de construção dos sujeitos e como essa violência será reproduzida pelos sujeitos em suas interações sociais.   
Não obstante, na tentativa de não restringir o conceito de violência para ação social ou dominação estrutural, e consequentemente, captar dentro das pesquisas sociológicas o caráter dinâmico e polissêmico que o termo carrega, Michel Misse (1999; 2016), Porto (1999; 2000) e Machado (1999; 2004) pensam violência não mais como conceito, mas como representação social. Essa solução pragmática não tem intuito nenhum de pôr um fim na produção de um conceito de violência, mas visto a polissemia desse conceito, utiliza-se de seus sentidos e significados comuns para a produção de pesquisa empírica. Isso pode ser observado no uso que Porto (1999; 2000) faz da teoria das representações sociais para pensar tanto os sentidos simbólicos atribuído por alguns jovens de classe média de Brasília em seus atos desviantes, assim como para pensar a construção da identidade policial a partir das representações que eles tem de si e da segurança pública; Pode ser observado também tanto no conceito de sujeição criminal como no de acumulação social da violência produzido por Michel Misse (1999; 2016) no intuito de compreender o uso acusatorial da violência nas interações sociais e nas relações estabilizadas, e as práticas sociais proveniente disso; E, por último, no conceito de Sociabilidade violenta desenvolvido por Machado (1999; 2004) para pensar a nova ordem social que se construiu no Brasil, pós década de 70, que tinha à violência como um recurso possível para as interações sociais.
Em suma, toda essa discussão empreendida nesse texto, nos ajuda a refletir acerca da polissemia do termo de violência e a dificuldade de se construir acerca dele um conceito sociológico definitivo. Nesse sentido, o texto nos ajuda a pensar em três abordagens bastante utilizadas nas pesquisas atuais acerca do fenômeno, que seriam: a abordagem a partir da ação social; da dominação estrutural; e por fim da representação social. Essas diferentes abordagens teóricas e metodológicas acerca do fenômeno mostram não apenas a polissemia do conceito, mas a necessidade de pôr a violência no centro da teoria social.

Referências
BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, v. 2009, 2015.
MACHADO DA SILVA, Luís Antonio. Criminalidade violenta: por uma nova perspectiva de análise. Revista de Sociologia e Política, n. 13, p. 115-124, 1999.
MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio. Sociabilidade violenta: por uma interpretação da criminalidade contemporânea no Brasil urbano. Sociedade e estado, v. 19, n. 1, p. 53-84, 2004.
MISSE, Michel. Malandros, marginais e vagabundos. A acumulação social da violência no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro. IUPERJ. Tese de doutorado em Sociologia, 1999.
MISSE, Michel. Violência e teoria social. Dilemas-Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 9, n. 1, p. 45-63, 2016.
PORTO, Maria Stela Grossi. A violência urbana e suas representações sociais: o caso do Distrito Federal. São Paulo em perspectiva, v. 13, n. 4, p. 130-135, 1999.
PORTO, Maria Stela Grossi. A violência entre a inclusão e a exclusão social. Tempo social, v. 12, n. 1, p. 187-200, 2000.
WIEVIORKA, Michel. The new paradigm of violence. Tempo social, v. 9, n. 1, p. 5-41, 1997.

* Fonte da Imagem: https://spbancarios.com.br/09/2017/reuniao-no-ministerio-publico-mostra-violencia-policial


2 comentários:

Unknown disse...

adorei!

Frank Marcon disse...

Interessante texto do GT Juventudes e Violências. Tanto para pensarmos os sentidos desta última expressão e seu caráter sociológico e antropológico mais geral, quanto para pensarmos o tema das Juventudes. Violências físicas e simbólicas, violência como dispositivo e como sensação, mas também como representação objetificada de "sujeitos violentos", e a questão moral que pesa sobre estes. Como pensar nossos temas diversos - para além das Juventudes - que implicam relações de poder a partir deste debate sobre Violências? Quais as especificidades deste debate - para não cairmos na estigmatizacão - quando falamos de jovens?